Menu

Aberta licitação para restaurantes comunitários de Brazlândia, Gama e Itapoã

Aberta licitação para restaurantes comunitários de Brazlândia, Gama e Itapoã Foto:Pedro Ventura
Processo licitatório foi publicado hoje no DODF; empresas interessadas assumirão assim que contratos atuais terminarem, em outubro e novembro
A licitação para escolher novas empresas que assumirão três restaurantes comunitários, no Gama, Itapoã e Brazlândia, foi divulgada no Diário Oficial do DF (DODF) – as três unidades juntas alimentam aproximadamente 10,5 mil pessoas diariamente, por um valor simbólico.

"A renovação se faz necessária porque os contratos com as atuais empresas vencem em outubro e novembro. Uma política de educação alimentar importante como os restaurantes comunitários não pode ficar sem eles", destacou hoje o subsecretario de Administração Geral da Secretaria de Desenvolvimento Social, Vicente Rodrigues.

O valor estimado do contrato é de R$ 5,3 milhões para o restaurante do Gama, R$ 3,4 milhões de Brazlândia e R$ 3,3 milhões do Itapoã, e as empresas poderão se candidatar até o dia 25 de setembro.
Elas serão escolhidas pelo menor preço que oferecerem por seus serviços, para assumirem as unidades no momento que os contratos vigentes terminarem.

"Elas (as empresas) iniciam imediatamente, porque nós não podemos ter interrupção dos serviços prestados pelos restaurantes nas três cidades", ressaltou o subsecretário.

O Gama, por exemplo, concentra a maior demanda das três unidades, com cerca de 1,4 milhões de pessoas atendidas em um ano, ao custo de apenas R$ 1 por refeição. Por dia, o restaurante alimenta 4,5 mil indivíduos.

SAÚDE - A oportunidade de uma alimentação rica e balanceada, preparada por nutricionistas, atrai diariamente milhares de pessoas aos 13 restaurantes comunitários que funcionam em todo o Distrito Federal – cada unidade fornece, em média, 3,5 mil refeições por dia.

"As unidades provaram ser um instrumento essencial para os que não têm condições de pagar efetivamente uma alimentação a preço de mercado, tendo ainda produtos escolhidos com base na sua qualidade nutricional", comentou Rodrigues.

SUBSÍDIO – Para ser cobrada a quantia simbólica de R$ 1, o GDF precisa pagar o subsídio estimado às empresas, que varia entre R$ 3,56 a R$ 3,82, por refeição, no Gama, Itapoã e Brazlândia.

"Quando se renova um contrato as novas empresas podem solicitar um reajuste, de acordo com os percentuais do contrato, então o GDF estuda se ele é plausível para ser concedido", explicou o subsecretario de Administração Geral da Sedest.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo